July 25, 2013

July 23, 2013

Coolest beach on earth!

Praia Grande, Sintra, Lisbon

I've spend my summers here since I was a kid and I've never seen this beach like this!
This summer the tide is so low that we can walk a lot more than usual at the seaside and behind the big rock that used to be the end of the beach is where we find a new paradise...





July 18, 2013

Where are you?

(Movie: Love and Other Drugs)
"We meet a thousand people, and none of them really touch you.
And then, you meet one person and your life is changed. Forever."

July 13, 2013

Last Summer's Roadtrip

Início do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina em São Torpes
No verão passado, eu e duas amigas decidimos fazer umas férias diferentes e apostar numa roadtrip. Foi de facto uma grande aventura até porque elas nunca tinham acampado mais de duas noites!
Decidimos fazer a descida da Costa Vicentina e SW Alentejano. Saindo de Sintra directas para Sines, São Torpes, e começando aí a nossa viagem até ao final do Parque Natural em Lagos, Algarve.


Praia de São Torpes, Praia do Laranjeiro e Praia da Ilha do Pessegueiro

A primeira paragem foi São Torpes, o inicio oficial do Parque Natural da Costa Vicentina e SW Alentejano. Na praia não ficámos encantadas pela paisagem porque mesmo ao lado da praia existe uma central termoeléctrica que estraga a ideia de uma praia paradisíaca mas, por outro lado, esta mesma central faz com que, estranhamente, a água do mar seja quente! Sim, mesmo quente. Tão boa que nem dá vontade de ir embora! O que nos surpreendeu também foi que a água é bastante mais salgada que as das praias de Sintra que estamos habituadas a frequentar.

Como fomos com o objectivo de conhecer o máximo possível da costa nunca passámos muito tempo em cada praia, acho que o máximo foi mesmo uma tarde naquelas praias que têm um areal tão grande que é possível conhecer e explorar a pé como em Odeceixes ou na Arrifana.

Quando deixámos São Torpes, começámos a nossa viagem de carro pela estrada nacional sempre o mais junto ao mar possível. E é uma óptima forma para descobrir praias mais discretas, situadas entre as arribas, que não estão identificadas ou reconhecidas nos mapas comuns.
No nosso caso a primeira praia onde decidimos parar e que não estava nos nossos planos não nos desiludiu minimamente. A praia não tinha nenhum nome oficial mas para nós ficou a "Praia do Laranjeiro, isto porque em cada um dos postes de cimento que formavam uma espécie de corrimão que acompanhava as escadas de acesso à praia estava escrita a palavra "Laranjeiro".

Arribas da "Praia do Laranjeiro", entre São Torpes e Porto Côvo

Depois de uns mergulhos, seguimos caminho para Porto Côvo. A vila é muito bonita, tal como a maior parte das vilas que fomos encontrando ao longo da Costa Alentejana, umas maiores que outras mas todas bastante simples e com as típicas casas brancas que gritam "praia e férias".

Em Porto Côvo, visitámos a "Praia da Ilha", que tem este nome porque em plena praia se consegue avistar a famosa Ilha do Pessegueiro, mesmo em frente.
E o nosso primeiro dia de viagem acabou com a chegada ao Parque de Campismo "Campiférias" em Vila Nova de Milfontes, onde fomos muito bem recebidas e montámos o estendal para uma primeira noite de campismo.

Quando se está a acampar os dias começam cedo porque a tenda aquece e rapidamente fica uma sauna que torna complicado o dormir até tarde.
No nosso segundo dia de viagem visitamos duas praias de Vila Nova de Milfontes e a vila e praia em Almograve. Como íamos voltar a passar a noite no parque de campismo de Vila Nova de Milfontes decidimos fazer este dia ao contrário, ou seja, fomos primeiro ao ponto mais longe - Almograve - e subimos esse bocadinho de costa até estarmos de volta a Vila Nova de Milfontes.
Portanto, passámos a manhã na Praia de Almograve que nos surpreendeu pela quantidade e variedade de algas, recifes, ouriços do mar e peixes. E à tarde fomos para a Praia das Furnas já em Vila Nova de Milfontes que, na verdade, não nos surpreendeu muito nem pela positiva nem pela negativa. Antes de irmos ver o pôr-do-sol à Praia de Milfontes passámos na Mabi, uma pastelaria na vila com os melhores croissants e gelados da Costa Vicentina!

Pôr-do-sol na Praia de Milfontes

3º Dia de viagem: acordámos, novamente, cedinho como as galinhas , arrumámos as tralhas e partimos rumo à nossa próxima casa, o parque de campismo da Zambujeira do Mar. No caminho fomos visitar o Cabo Sardão que vale a pena só pela paisagem como podem ver nas fotografias em baixo.
Já na Zambujeira do Mar, aproveitámos a tarde para desfrutar da piscina do parque de campismo e ainda demos um saltinho à praia seguido de um passeio pela vila e, como não podia deixar de ser, de um belo pôr-do-sol.


Vista do Cabo Sardão
Vista do Cabo Sardão


Mais um dia de viagem e o factor "acordar cedo" já era mais que rotina. Voltámos a arrumar tudo e seguimos viagem com destino a Odeceixe para visitar a Praia de Odeiceixe que foi listada como uma das Maravilhas das Praias de Portugal. No entanto, a praia não nos deixou sem fôlego. É uma praia bonita mas, na nossa opinião não é das mais bonitas do país. Ainda assim, gostámos de descobrir as praias à volta e os cantinhos mais escondidos que conseguimos explorar por estar a maré vazia. Descobrimos que no lado direito da praia as arribas estão cheias de seixos com mensagens e nomes de visitantes da praia e, óbviamente, também contribuímos! No lado contrário, havia mais arribas que escondiam uma praia oficial de nudismo.

A caminho da Arrifana em Aljezur, ainda parámos na Praia da Amoreira que nos fez lembrar a Praia do Guincho em Cascais com o vento e as dunas, como o tempo estava desagradável não ficámos muito tempo.

Já na Arrifana, chegámos à Pousada da Juventude onde íamos passar aquela noite e ficámos surpreendidas pela modernidade do edifício que se revelou com óptimas condições e bastante acolhedor.

Como férias são férias, para aproveitar o sol que ainda restava fomos passar o resto da tarde à Praia do Monte Clérigo onde vimos mais um fantástico pôr-do-sol.

Pôr-do-sol na Praia de Milfontes, Praia de Almograve, Praia de Odeceixe, Praia da Zambujeira do Mar e outro pôr-do-sol na Praia do Monte Clérigo em Aljezur

Sinal de trânsito alterado a caminho da Arrifana em Aljezur

O 5º dia de viagem começou um pouco mais tarde que o habitual e já com mais um aventureiro que decidiu juntar-se às meninas para acabar de descer a costa.

O pequeno-almoço da pousada era óptimo, obviamente que não se tratava de um pequeno almoço com buffet como num hotel mas para uma Pousada da Juventude não foi nada mal servido! Voltámos a arrumar as tralhas e voltámos à estrada.

Começámos o dia na Praia da Arrifana, uma praia com uma extensão de areal que nunca mais acaba e que nos proporcionou um belo passeio a pé para começar bem o dia.
Em seguida, fomos para a Carrapateira, mais concretamente para a Praia do Amado, uma praia linda e com imensas rochas que escondiam recifes de coral.
A meio da tarde, deixámos as praias e fomos visitar Pedralva, uma aldeia tradicional portuguesa que vale a pena espreitar.
Depois passámos em Vila do Bispo e descemos a serra até à Praia da Cordoama, um caminho bastante longo, literalmente no meio do nada, mas que vale a pena uma vez chegando à praia. Visitámos também, a pé pelo areal a Praia do Castelejo que é mesmo ao lado.

Praia da Arrifana, Praia da Carrapateira, Cabo de São Vicente em Sagres, Praia da Salema e Praia da D. Ana em Lagos

O combustível do carro já era pouco e assustámos-nos um bocado quando percebemos que só havia uma bomba de gasolina em Vila do Bispo, ou seja, tínhamos de voltar para trás e subir a serra com o carro carregado e na reserva! Felizmente não tivemos azares. Excepto quando chegámos à bomba de gasolina, na qual demorámos mais de 20 minutos para pôr 40€ de gasolina porque a mangueira não tinha pressão e portanto era quase gota a gota.
Depois desta mini aventura seguimos viagem para Sagres e fomos invadir a Praia do Martinhal que fica escondida pelo Beach Resort do Martinhal, a praia é boa mas já é muito diferente das praias da costa alentejana e estava tão cheia de estrangeiros que, se não soubéssemos, dificilmente diríamos que estávamos em Portugal.
Como já era hábito, fomos ao parque de campismo montar o arraial enquanto ainda havia luz do dia. Desta vez ficámos no Parque da Orbitur em Sagres, longe da vila mas perto do Cabo de São Vicente, onde decidimos ir ver o pôr-do-sol. Este cabo é, sem dúvida, um local muito agradável para passar o final da tarde, desde que bem agasalhados, e deve ser por isso que atrai imensas pessoas para ver o pôr-do-sol. O que nós não sabíamos era que assim que o sol se pusesse toda a gente ia levantar-se e bater palmas... este momento apanhou-nos completamente de surpresa!
Aproveitámos o anoitecer para visitar-mos a antiga pousada e a paisagem à volta e depois voltámos para o parque para o merecido descanso.

CostaVicentina©JoanaMoreira
Pôr-do-sol no Cabo de São Vicente em Sagres
CostaVicentina©JoanaMoreira

6º dia: Acordámos um pouco mais cedo que o habitual porque as nossas não tão queridas vizinhas rolas acordaram e começaram logo a cantar. Voltámos a arrumar tudo e fomos visitar mais umas praias em Sagres, a Praia do Beliche e a Praia do Tonel. A água era tão cristalina entre as arribas que parecia que estávamos noutro país, ficámos maravilhados. Voltámos à estrada em direcção a Lagos mas fizemos várias paragens. A primeira paragem foi a Praia do Zavial que é uma praia naturalista, algo que nós descobrimos à medida que fomos andando pela praia. Tínhamos planeado visitar a Praia da Ingrina e a Praia da Figueira mas passámos à frente e fomos directos à Praia da Salema, não descemos até à praia mas ficámos a observar a vista que era digna de um paraíso! Acabámos o dia na Praia do Burgau, não é uma praia linda de morrer mas gostámos do facto do estacionamento ser, literalmente, a dois passos do areal.

Vida em Campo e Praia do Martinhal, Beach Resort, Sagres.

Já a chegar a Lagos tivemos um pequeno problema com os parques de campismo. Tínhamos duas opções, um parque com muito bom aspecto mas que ficava longe do centro de Lagos e um parque mesmo no centro. Decidimos espreitar o do centro mas mal vimos percebemos que não tinha muito bom aspecto... Ainda procurámos outra opção, um parque de campismo que estava indicado no mapa em Porto-de-Mós mas que infelizmente já não existia e tinha sido substituído por um aldeamento turístico e, portanto, voltámos para a nossa primeira opção, o parque de campismo da Turiscampo em Lagos. E não nos arrependemos minimamente desta escolha! O parque é cinco estrelas, apesar de ser um pouco mais caro que os outros parque onde ficámos ao longo da viagem garantimos que vale a pena!

Desta vez não fomos ver o pôr-do-sol, montámos as coisas e ficámos que nem uns campistas a comer chouriço assado e a desfrutar da vida ao ar livre!

CostaVicentina©JoanaMoreira
Petiscos ao final da tarde em campo

Último dia! O cansaço já era tanto que nem o habitual calor matinal nos despertou e dormimos até mais tarde. Arrumámos tudo e demos uma volta pelo parque de campismo, tínhamos planeado desfrutar de um mergulho na piscina mas acabámos por não ter tempo para isso. 

Ainda em Lagos visitámos a praia da D. Ana, mais um paraíso no Sul de Portugal! Demos um saltinho à Marina de Lagos e fomos visitar a Praia do Alvor que não achámos nada de especial e portanto seguimos até Portimão onde visitámos a Praia do Vau e a Praia do Alemão. Já estávamos em pleno Algarve e isso notava-se a léguas, desde a diferença da água, ao ambiente e à paisagem.

Em Portimão apanhámos a autoestrada para Lisboa que pôs fim às nossas férias.

A última paragem foi no ponto de partida, 7 dias e 965,1 quilómetros depois.



July 12, 2013

Take a Look on Instagram

Instagram: @joanamoreiras

1. One of Magnum's New Limited Edition Kisses, a Flirty Kiss
2. A perfect sunset at one of my favourite beaches, Praia Grande, in Sintra, Lisbon
3. Getting tan
4. It's bikini season
5. A fresh and healthy lunch cooked by me
6. Who doesn't love flip flops?
7. Best ice creams in the world from Santini in Cascais, Lisbon
8. The wonderful sea coast of Sintra
9. Praia Grande, Sintra, Lisbon
10. My 21st birthday party.


July 11, 2013

Growing Up

When I was a kid someone asked me what I wanted to be when I was a grown up and I told him that I wanted to be one of those persons who travels all over the world.
Now, I'm 21 and I still want that. Maybe I'm a fool, but maybe being a fool isn't a bad idea after all.

July 10, 2013

What is love anyway?

O amor não é uma coisa que te tira do chão e te transporta para lugares onde nunca estiveste. Isso é um avião, o amor é outra coisa.
O amor não é aquilo que te tira a respiração e te deixa sem ar e sem conseguir falar. Isso é a asma, o amor é outra coisa.
O amor não é uma coisa que te ilumina no escuro, te leva até as estrelas, te traz de volta e desaparece sem deixar vestígios. Isso é a abdução, o amor é outra coisa.
O amor não é uma coisa que te surpreende, que te transforma num refém e que leva tudo o que tens. Isso é um ladrão, o amor é outra coisa.
O amor não é uma coisa que chega devagar e salta o muro quando o dia amanhece. Isso é um gato, o amor é outra coisa.
O amor não é algo que foi perdido e quando é reencontrado pode mudar tudo o que está a sua frente. Isso é o comando da televisão, o amor é outra coisa.

(adaptado - "O Amor é Outra Coisa", Velhas Virgens)

July 9, 2013

July 8, 2013

Hit the break!

The worst is when someone hit's it for you, so hard that you just don't know how to react or what you should do not to make a fool out of yourself.